Primeira Montaria do CMN foi um sucesso

capa1

Uma mancha difícil de montear com muito coberto vegetal mas também umas das mais belas de Trás-os-Montes, na Serra de Bornes (Macedo de Cavaleiros), foi a primeira escolhida para iniciar as actividades do Clube de Monteiros do Norte (CMN) no passado dia 18 de Novembro.

O resultado desta primeira montaria foi o expectável, 135 monteiros cobraram 17 javalis com o trabalho árduo de 14 matilhas.
“A mancha estava muito bem tratada, no entanto, era uma mancha difícil, fechada e com muita vegetação. Foi difícil pôr os javalis em movimento com poucos pontos de tiro e por isso este resultado foi excelente”, refere o presidente do CMN, Nelson Cadavez, acrescentado que na primeira hora desta Montaria havia muita caça à qual não se pôde atirar “foram avistados mais de 20 corços” e só quando estes animais saíram da mancha é que foi possível movimentar os javalis.
O vice-presidente do CMN e responsável por toda a parte técnica da Montaria, Rui Cepêda, corrobora a opinião de Nelson Cadavez. Diz que deu “bastante trabalho” porque é uma mancha de serra que em termos de distribuição de portas é mais complicado, devido à abundância de silvas e soutos, o que também dificultou o trabalho aos matilheiros, no entanto, “a eficácia de tiros surpreendo-nos um bocado pela positiva, houve pouco tiro e muitos animais abatidos”.
Esta Montaria foi organizada em parceria com o Clube de Caçadores da Serra de Bornes.
A jornada de caça foi contemplada por condições climatéricas muito favoráveis, muito convívio e sempre acompanhada da boa gastronomia. Todo este conjunto faz com que as montarias de Trás-os-Montes sejam consideradas das melhores do país.
Para Manuel Lopes, de Celorico de Basto, esta Montaria vai, com certeza, ficar-lhe gravada na memória pois foi a primeira da vida e foi baptizado porque conseguiu abater um javali. “Foi tudo a primeira vez e a sensação é inexplicável. Nada me faria prever que isto ia acontecer, não estava mesmo a contar. Só me lembro da adrenalina que senti no momento”, explica o monteiro que diz que se inscreveu no CMN e na Montaria por incentivo dos amigos mas que agora ganhou o “bichinho” e será presença habitual nas actividades venatórias.
O calendário de montarias do CMN deste ano inclui mais uma Montaria do que nos anos anteriores, eram cinco e este ano são seis.
Agora segue-se uma Montaria fora do espaço habitual das montarias do CMN e é já no próximo mês, no dia 16 de Dezembro em Mata de Lobos em Figueira de Castelo Rodrigo. Segue-se o XI Encontro de Matilhas no dia 23 de Dezembro com a Montaria de Morais, Castro Roupal, Gralhós e Talhinhas (Macedo de Cavaleiros).
O ponto alto das iniciativas do CMN chega no dia 20 de Janeiro de 2018 com XXXII Encontro Venatório do Nordeste Transmontano com a Montaria de Valverde da Gestosa e Barcel (Mirandela). No dia 21 de Janeiro, ainda no âmbito das comemorações do Encontro Venatório, realiza-se a Montaria de Suçães (Mirandela) acompanhada de uma iniciativa inédita: O I Encontro Ibérico de Mulheres Monteiras.
A Montaria que encerrará a época venatória realiza-se em Agrobom (Alfândega da Fé) com umas das manchas mais icónicas da região, no dia 10 de Fevereiro.

Comentários